terça-feira, 22 de setembro de 2015


FUGA EM MASSA - Depois que um vídeo de um preso espancado por outros detentos foi divulgado na cidade, o alerta era para que algo de grave estaria prestes a voltar acontecer na cadeia de Jataí, como uma fuga em massa no final de semana. E realmente a fuga aconteceu. Por volta das 21 horas do sábado passado, dia 19 de setembro, as informações vindas do presídio eram de que dois detentos teriam sido espancados e feridos dentro de uma das celas e haviam sidos levados para o hospital. Aquela altura, também havia sido registrado um boletim de ocorrência no plantão da Polícia Civil e divulgado, em redes sociais, um vídeo gravado por um dos três agentes penitenciários com o detento, Landivaldo Pereira de Jesus (suspeito por voltar a rondar a residência de um comerciante assassinato a tiros no povoado de Naveslândia em anterior tentativa frustrada de assalto), um dos agredidos na cela, ainda ensanguentado, revelando os motivos de sua agressão (que seria por falta de pagamento) e alertando para o plano de fuga em massa já na madrugada do domingo, 20, onde os três agentes penitenciários seriam rendidos. O preso também revelou que, praticamente, todos os detentos possuem acesso a telefone celular. O alerta acabou servindo para que a fuga fosse evitada e os mais de 300 presos amanhecessem ainda trancafiados. Entretanto, os planos só foram adiados, pois, por volta das 21 h dessa segunda-feira novas e preocupantes notícias vindas do presídio comunicaram uma fuga em massa onde 17 detentos haviam conseguido escapar. O número oficial ficou de ser divulgado e especulações davam conta de que não era 17 e sim 50. A população, alertada em redes sociais durante a noite, dormiu com medo e amanheceu muito assustada e revoltada com as autoridades, principalmente porque têm obras inacabadas no presídio e pela especulação de os fugitovos eram todos de alta periculosidade. "Não saiam de casa hoje, avisem a todos e cuidado nas saídas da cidade" dizia o alerta em circulação Pelas apurações iniciais, um dos motivos da fuga em massa seria a nova regra do presídio que estaria barrando a entrada de dinheiro no local.
ESCAPADA - Segundo a Polícia Militar, os presos serraram as grades e fugiram das celas sem que os agentes carcerários percebessem. Eles teriam conseguido fugir do local passando por uma área da cadeia que está em reforma e, por isso, não teria a mesma vigilância que os outros ambientes do local. A Superintendência Executiva de Administração Penitenciaria-SEAP informou ainda que Polícia Civil também investiga os casos e as polícias militar e rodoviária federal trabalham na recaptura dos foragidos. Também, segundo a SEAP, o coordenador regional e o coordenador da unidade prisional de Jatai foram afastados.
RECAPTURA COM TIROS - Ontem,  quase de madrugada e depois da divulgação da fuga em massa, algumas pessoas informaram, também via rede social, que ouviram muitos disparos próximo a suas casas. Foram muitos tiros que teriam sido ouvidos nos setores Vila Fátima e Dom Abel. Pela manhã foi comunicado que, após trocas de tiros, a polícia conseguiu recapturar dois dos fugitivos.
PREFEITO CRITICADO - Um dos mais criticados com o noticiário da fuga em massa foi o prefeito Humberto Machado. Nas redes sociais, muitas pessoas atacaram a construção dos pórticos sobre rodovias e viaduto ao invés de se concluir a reforma do presídio que é de competência do governo estadual. "O prefeito investe em obras em embelezamento ao invés de obras de segurança", dizem as críticas de populares.
CAPOTAMENTO  E MORTE - Agora a tarde dois dos fugitivos, ao tentar escaparem de policiais, se chocaram contra uma árvore e capotaram um gol vermelho roubado ainda na manhã de hoje no bairro Estrela Dalva (próximo ao presídio). O acidente ocorreu na rodovia BR-364, próximo ao chamado Posto 71 (estrada de Perolândia) na região da vizinha cidade de Mineiros. Douglas Ferreira Silva, sem cinto de segurança, foi arremessado 50 e morreu, enquanto Danrley Oliveira Souza, com cinto, ficou ferido e foi levado para atendimento e depois para o presídio daquela cidade. O sobrevivente confessou que o carro seria trocado por 30 quilos de drogas. O detalhe é que um deles, o Douglas, não teve seu nome relacionado na lista dos 17 fugitivos entregues pelo sistema prisional para a PM e a PRF.
MAIS TIROTEIO - Notícia na rede social, que pode ser boato ou verdade, dá conta de tiroteio agora às 19 h no bairro Mauro Bento entre polícia e fugitivos.
REVISTA - Uma equipe especializada da polícia fez uma revista nas celas do presídio hoje a noite. Foram encontradas muitas coisas irregulares, principalmente, um tipo de bazar de comércio de entorpecentes e uma substância esverdeada, além de alguns celulares.
DEPOIS DA ACADEMIA - Uma testemunha contou que um dos fugitivos esteve nesta noite de terça-feira frequentando, tranquilamente, uma academia de ginástica onde foi malhar como um cliente comum. A academia ficaria próximo a praça Lambari no setor Central. Na saída, o indivíduo acabou sendo preso, pois teria sido reconhecido.

NOMES DOS RECAPTURADOS: 
Gilson Pereira de Paula, 38 anos (natural de Pontes e Lacerda-MT). Passagens por furtos. Desde 2012 também está preso pelo artigo 121 (homicídio) quando atirou em seu amigo e ainda cortou-lhe a cabeça. Já fugiu outras duas vezes do presídio local, tendo, inclusive, em uma dessas vezes, sido recapturado em Pontes e Lacerda. Foi um dos pegos depois de trocas de tiros ainda na segunda-feira logo depois da fuga em massa e acabou sendo baleado.
Giovane Batista da silva, 44 anos. Velho foragida da justiça. Inúmeras passagens por furtos em várias cidades do estado (Jataí, Rio Verde, Itumbiara e outras). Também foi pego após troca da tiros com a PM.
Danrley Oliveira Souza (natural de Mineiros-GO). Passagens por furtos. Velho conhecido das polícias de Mineiros e Jataí. Preso na vizinha cidade pelo artigo 121 (homicídio) acusado da morte do taxista "Valdeni do Táxi" no início de 2014. Junto com outros seis, fugiu daquela cadeia em 5 outubro (dia das Eleições) tendo sido recapturado pouco depois em Jataí. Também já ameaçou de morte um juiz e agentes carcerários.
Douglas Ferreira da Silva (não tinha o nome relacionado)