sexta-feira, 4 de março de 2016

LEVADO PARA DEPOR

Lula foi levado para depor na Polícia Federal
O ex-presidente Lula levado ao aeroporto de Congonhas logo cedo para depor à Polícia Federal



A AÇÃO:

-A ação ocorreu na sexta-feira, 4 de março de 2016, e foi batizada pela Polícia Federal de "Operação Aletheia" em referência a expressão grega que significa busca da verdade e faz parte da 24ª fase da Operação Lava Jato.

-Cerca de 200 policiais federais e 30 auditores da Receita Federal cumpriram 44 ordens judiciais, sendo 33 mandados de busca e apreensão e 11 mandados de condução coercitiva.

-As medidas foram cumpridas no estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia.

-Houveram mandados de condução coercitiva contra o ex-presidente Lula, contra Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, dentre outros. A operação foi autorizada pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em Curitiba.

-Segundo consta, não foi a delação de senador Delcídio Amaral que motivou essa ação da PF, mas sim depoimentos de empreiteiros e informações coletadas na Operação Lava Jato.


LULA LEVADO PARA DEPOR NA PF

-Por volta das 6 h da manhã, a Polícia Federal, composta por 12 integrantes, dentre eles, delegados, escrivães e agentes, chegou no edifício Hill House, na Av. Francisco Prestes Maia, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista (18 km a sudoeste de São Paulo capital). Segundo consta, o síndico do edifício colaborou indicando aos policiais quais os imóveis onde Lula reside, que são as coberturas números 121 e 122 e até um terceiro apartamento (dois não estão em seu nome). Quatro carros entraram na garagem do prédio e cerca de dez agentes ficaram na portaria.

-Segundo consta, o próprio Lula foi abrir a porta e saudou com um bom dia os agentes. Naquele momento, ele vestia abrigo e se preparava para ir à academia.

-Um dos delegados informou à Lula sobre o cumprimento do mandado. O ex-presidente reagiu com humor dizendo: "Mas vocês não trouxeram o japonês da federal?" (a referência foi ao agente Newton Ishii que ficou visível e popular após ser fotografado várias vezes pela imprensa conduzido presos da Operação Lava-Jato).

-Segundo consta, depois do momento de humor, Lula leu o mandado, fechou a expressão e ligou para os seus advogados já demonstrando indignação e definindo a situação como um "absurdo". Um dos advogados de Lula é Roberto Teixeira

-A ex-primeira-dama, Marisa Letícia, que autorizou as buscas nos apartamentos do casal, quis acompanhar o marido até o local do depoimento. Depois, foi convencida a ficar em casa. Entre os argumentos usados pelos policiais para demovê-la, foi de que não se tratava de uma prisão e que a imagem do ex-presidente seria preservada (os agentes estavam até sem os uniformes da PF e as viaturas eram discretas, sem identificação). Com o tratamento de discrição, a ação no edifício não permitiu tirar fotos e nem filmagens.

-Segundo consta, Lula chegou a dizer que só sairia algemado e tentou fazer com que o depoimento fosse feito ali mesmo no apartamento, mas depois acabou se convencendo a ir.

-A PF ficou por cerca de 30 minutos no apartamento do petista e depois saiu em comboio por volta das 6h30min seguindo rumo ao aeroporto de Congonhas, local do depoimento distante da casa do ex-presidente, do Instituto Lula e da sua sede em São Paulo, escolhido estrategicamente.

-O depoimento, que durou mais de três horas, foi tomado no chamado "Salão Presidencial", em um prédio anexo a Congonhas. No cotidiano, é um espaço destinado a receber importantes autoridades que estejam de passagem pelo terminal.

-Depois de ser liberado, Lula foi ao diretório do PT em São Paulo e, em um pomposo pronunciamento na presença da militância e da imprensa, disse estar sendo alvo de uma operação midiática. 


O QUE A POLÍCIA QUERIA:

-A Polícia Federal esteve nos  apartamentos do ex-presidente Lula para cumprir mandados de busca e apreensão e de condução coercitiva. Informaram em entrevistas que foram lá buscar provas contra ele por supostos recebimentos de vantagens ilícitas por parte de empreiteiras envolvidas no cartel da Petrobras, como a Odebrecht e a OAS.

-Informaram também que as provas visam apurar se empreiteiras lhe favoreceram por meio do sítio de Atibaia (SP), do tríplex no Guarujá (litoral paulista), do Instituto Lula e da sua empresa ILS Palestras.

-Os investigadores que vasculharam os apartamentos de Lula acreditaram ter encontrado "provas cabais" de que ele é o proprietário real do sítio em Atibaia. Documentos recolhidos para análises dão essa convicção aos policiais. O sítio, que oficialmente esta em nome de dois sócios de um de seus filhos, foi reformado pela OAS e pela Odebrecht ao custo estimado em R$ 1 milhão. A Lava Jato apura se essas reformas foram para compensar as empresas de Lula por vantagens ilícitas obtidas em contratos anteriores com a Petrobras. Investigadores também sustentam que há evidências de que o ex-presidente recebeu valores do esquema para reformas de seus apartamentos e para dar palestras.

-Segundo o Ministério Público de São Paulo-MPF, o ex-presidente Lula teria sido um dos principais beneficiários dos crimes da Petrobras que estão sendo investigados pela Operação Lava Jato e teria recebido R$ 30 milhões das empreiteiras envolvidas. Dinheiro movimentado pelo Instituto Lula e por sua empresa de palestras reforçou o elo com a Lava Jato. Lula também é suspeito de ocultar patrimônio.

- Disseram os procuradores no mandado de busca: "De fato, surgiram evidências de que os crimes da Petrobras enriqueceram Lula e financiaram suas campanhas eleitorais, além do caixa de sua agremiação política".

-Lula tinha pedido habeas corpus para não depor no Ministério Público de São Paulo. Essa ação em seus apartamentos foi outra.


TAMBÉM HOUVERAM BUSCAS:

-Além dos apartamentos do ex-presidente Lula no edifício Hill House, os agentes fizeram diligências cumprindo mandados de buscas na casa do filho do ex-presidente, no Instituto Lula (bairro Ipiranga, Zona Sul de São Paulo) e na sede da Odebrecht (na Marginal Pinheiros) também na capital paulista.

-No local onde mora Fábio Luiz Lula da Silva, o "Lulinha", em Moema (SP), dois carros da PF e um da Receita Federal ficaram no local também desde às 6h.  


REPERCUSSÕES IMEDIATAS:

-Enquanto Lula era ouvido pelo policiais, houve um princípio de confusão em frente à seus apartamentos no edifício Hill House por grupos favoráveis e contrários.

-No twitter oficial do Partido dos Trabalhadores-PT chegou a ser postado que Lula era "preso político", mas depois o post foi retirado.

-O ministro da Trabalho e Previdência Social, Miguel Rossetto, divulgou nota sobre a condução coercitiva de Lula. Disse: "Isso não é Justiça, é uma violência". 

-O senador Cássio Cunha Lima, líder do PSDB no Senado, chegou a defender a cassação da chapa de Dilma e novas eleições.

-O senador Aécio Neves declarou em seu twitter: "Os graves indícios de irregularidades e crimes cometidos à sombra do projeto de poder do PT finalmente estão vindo à luz".