quarta-feira, 8 de junho de 2016

7 A 1 NO HAITI É MOLEZA


Pobre Haiti. Sentiu na pele castigada o que é sofrer de 7 a 1 durante uma copa. E sofreu logo da Seleção Brasileira, a mesma que miou como um doce gatinho diante da poderosa e implacável Alemanha na Copa do Mundo de 2014. O mesmo placar que o brasileiros amargaram, desta vez foram os haitianos que experimentaram. 7 a 1 no lombo e virou saco de pancadas. Só do Haiti se lembrar que em sua estréia perdeu pelo placar mínimo para o Peru (gol de Guerrero) e agora, já na segunda rodada, vai logo tomando uma carrada de gols, deve ficar de cabeça zonza. A "Seleção do Dunga", por sua vez, deve estar de alma lavada, tendo em vista que não saiu do 0 a 0 na estreia com Equador (em jogo feio) e agora se redime. O Philippe Coutinho, substituindo Neymar, marcou três, o Renato Augusto anotou dois, o Lucas Lima marcou um e a novidade, Gabigol (do Santos), entrou e também deixou o seu. O Brasil, em crise de bom futebol, ainda conseguiu tomar um golzinho do coitado do Haiti (marcado por Marcelin), equipe que nem poder ofensivo para vazar um penta campeão deveria ter. O próximo confronto da Seleção pela Chave B será contra o Peru. Com isso fica a análise do jogo desta segunda rodada: marcar 7 a 1 no Haiti foi moleza. Quero ver depois na Argentina.