DOMINGO COM MANIFESTAÇÕES PRÓ-LAVA JATO

Brasil tem domingo de manifestações pró Operação Lava Jato
Marcello Casal Jr - Agência Brasil / Fotos Públicas (04/12/2016)

Da redação - Os grupos que se mobilizaram em favor do impeachment da Dilma Rousseff voltaram às ruas neste domingo, 4, desta vez, em convocatória nacional pró Operação Lava Jato e em apoio ao projeto "10 Medidas Contra a Corrupção” (PL 4850). Este é mais um protesto após as manifestações do “Fora Temer!” e contra a PEC 55 (anterior PEC 241 dos Gastos Públicos) dentro do atual governo. Os responsáveis pela convocação é o movimento Vem Pra Rua e Movimento Brasil Livre-MBL. O Planalto Central não é o alvo dos protestos, mas sim, os aliados do governo Temer no Congresso Nacional que estão menosprezando o Poder Judiciário e impondo barreiras às apurações do Ministério Público Federal-MPF referente a práticas lesivas aos cofres públicos. 

As manifestações bradaram palavras de ordem, principalmente, contra o deputado federal Rodrigo Maia (presidente da Câmara dos Deputados) e o presidente do Senado, o senador Renan Calheiros (investigado). Um dos senadores apoiadores do governo do PT e relator do polêmico projeto de Abuso de Autoridade contra juízes e procuradores federais, Roberto Requião (PMDB) entrou em conflito com os manifestantes chamando-os de “burros e mentecaptos” nas redes sociais. Os manifestantes estão respondendo que o senador vai ter o retorno. Em todos os estados e mais o Distrito Federal houve registro de protestos neste domingo. Os atos foram convocados, basicamente, via redes sociais.

“Neste domingo estaremos de volta às ruas para protestar contra as formas corruptas de se fazer política que nossos parlamentares insistem em fazer”, é que está escrito na nota justificativa do site Vem Pra Rua. Em São paulo, sede da movimento, o caminhão do protesto começou os trabalhos estacionado na Av. Paulista ao lado do MASP. Cerca de 15 mil pessoas foram registradas na capital paulista. No Rio o movimento de concentrou em Copacabana e teve gritos distintos. 

“Fora Renan!” e “Fora Maia!” foram os gritos dominantes nos protestos pelo Brasil em favor da Operação Laja Jato. Muitos cartazes, faixas e bonecos foram levados para as manifestações. Enquanto a imagem do senador Renan Calheiros foi malhada, a do juiz Sérgio Moro, foi a mais usada como forma de apoio. O Boneco “Super Moro”, por exemplo, foi sucesso de vendas na capital paulista.

Não existe número exato dos manifestantes deste domingo, mas, segundo o MBL, a mobilização por todas as cidades reuniu cerca de 200 mil pessoas. O projeto “10 Medidas Contra a Corrupção” (PL 4850) está apoiado em 2 milhões de assinaturas e agora também conta com este domingo de protestos pelas ruas do país.

Um comentário:


  1. A volta de decoro no Brasil:

    UM MOMENTO, APENAS UM!, SUI GENERIS. EIS:

    Em 2016 houve fato fabuloso sim, apesar de Vanessa Grazziotin falar que não, dessa forma assim:

    "O ano de 2016 é, sem dúvida, daqueles que dificilmente será esquecido. Ficará marcado na história pelos acontecimentos negativos ocorridos no Brasil e no mundo. Esse é o sentimento das pessoas", diz Grazziotin.

    Mas, por outro lado, nem que seja apenas 1 fato positivo houve sim! É claro! Mesmo que seja, somente e só, um ato notável, de êxito. Extraordinário. Onde a sociedade se mostrou. Divino. Que ficará na história para sempre, para o início de um horizonte progressista do Brasil, na vida cultural, na artística, na esfera política, e na econômica. 
    Que jamais será esquecido tal nascer dos anos a partir de  2016, apontando para frente. Ano em orientação à alta-cultura. Acontecimento esse verdadeiramente um marco histórico prodigioso. Tal ação acorrida em 2016 ocasionou o triunfo sobre a incompetência. Incrementando sim o Brasil em direção a modernidade, a reformas e mudanças positivas e progressistas. Enfim: admirável. 

    Qual foi, afinal, essa ação sui-generis?

    Tal fato luminoso foi o:

    -- «Tchau querida!» [impeachment de Dilma].

    Eis aí um momento progressista, no ano de 2016. Sem PeTê.

    Feliz 2017.

    ResponderExcluir