sábado, 22 de julho de 2017

MEIRELLES E O GRUPO MASUT

Como resposta referente a comentários à boca miúda no meio empresarial da cidade goiana de Anápolis, de que Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central no governo Lula e atual ministro da Fazenda do governo Temer, teria participação na propriedade da rede Masut de combustíveis, o ministro nega que isso seja verdade. Até mesmo porque, como ele iria explicar o fato de ter estado no governo federal quando o grupo JBS conseguiu bilhões de reais em empréstimos através da J & F dos irmãos Batista? E como iria explicar também o fato de que, em 2016, a grupo Masut obteve faturamento de R$ 1,2 bilhão? A indignação faria perguntar: "só porque os Irmãos Batistas são da terra natal dele (Anápolis)? Só porque a proprietária da rede Masut, Mariza Maria de Araújo Bittar, é sua prima em Anápolis"? Portanto, diante de tais indignações que poderiam surgir, os comentários à boca miúda ficam negados pelo ministro.

A OPERAÇÃO

Já que tem muita gente que ainda insiste em brigar por política, então vamos lá: QUAL A DIFERENÇA DO GOVERNO LULA PARA O GOVERNO TEMER? É que o governo Lula te anestesiava, ou seja, te passava a mão na cabeça dizendo estar tudo bem, que havia pago as contas, que aumentaria o salário, que daria dinheiro, escola, emprego, futebol e pré-sal. E pra que isso, ou seja, pra que te anestesiar? Simples. Para te operar, claro. Caros eleitores do Lula, vocês foram operados e nem sentiram. E qual a diferença dele para o Temer? É que o governo Temer vem operando você também, mas sem anestesia.

terça-feira, 11 de abril de 2017

A LISTA DA FAXINA

Com 108 nomes, sendo nove ministros, três governadores, 29 senadores, 42 deputados, um ministro do Tribunal de Contas da União-TCU e 24 pessoas, o novo relator da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal-STF, o ministro Edson Fachin, quebrou o sigilo e revelou ao público quais foram os citados nos acordos de delação com 77 executivos e ex-diretores da Organização Odebrecht. Dentre os políticos, se destacam 18 nomes do PT, 16 do PMDB, 12 do PSDB, nove do PP, cinco do DEM, cinco do PSD, quatro do PSB, quatro do PR, três do PRB, dois do PCdoB, um do SD, um do PTC e um do PPS. Isso só na primeira chamada. Entre os citados estão Michel Temer, Lula, Dilma Rousseff, Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alckmin, Rodrigo Maia e vários outros em exercício de mandato. Vale lembrar que esta é a segunda lista. Na primeira, de 2015, haviam 54 nomes e muitos que constavam naquela também aparecem nesta que são de outros delatores.

NEM PARA PROCRIAR

São ideias de Bolsonaro - fazendo uso da palavra durante evento do clube Hebraica (judeu) no Rio de Janeiro: "Onde tem uma terra indígena, tem uma riqueza embaixo dela. Temos que mudar isso daí! Não temos, hoje em dia, mais autonomia para mudar essa situação, pois, entregou-se tanto a nossa nação que chegamos a esse ponto. Quilombola é outra brincadeira! Fui em uma reserva em Eldorado Paulista e olhe que o afrodescendente mais leve que vi por lá pesava sete arrobas! Não fazem nada! Acho que nem para procriadores servem mais. São mais de R$ 1 bilhão por ano gastos com eles". A assessoria política do Bolsanaro só esqueceu de explicar a ele que, no caso dos índios, os mesmos já estavam aqui quando as naus Santa Maria, Pinta e Niña chegaram.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

MARCELO ENTREGA

Parece que o homem mais honesto do Brasil e até mais que o Papa está sendo acusando de ter recebido R$ 13 milhões em propina. E o melhor: em especie, ou seja, em notas vivas. O senhor Luiz Inácio Lula da Silva, o homem dos 13, está sendo delatado por Marcelo Odebrecht como sendo o codinome “amigo” na planilha da propina e de ter levado esse montante dividido em seis parcelas entre 2012 e 2013 como parte das artimanhas para beneficiar a construtora em obras como os estádios da Copa do Mundo, as adequações para as Olimpíadas no Rio de Janeiro, dentre outras no Brasil e no exterior. Lula, claro, como bom samaritano e candidato à canonização, nega tudo.

NA BOCA

Terminou, de forma melancólica, a participação do casal Marcos Harter e Emilly Araújo no famigerado programa Big Brother Brasil-BBB 2017 (Rede Globo), uma das maiores audiências televisivas durante a semana. Depois de se unirem em sexo e protagonizarem um escândalo pornográfico no horário, o romance azedou e acabou virando caso de polícia. Um relacionamento como o de Marcos e Emilly é o tipo de pimenta que tempera o nível do BBB. Agora é gozação da boca pra fora.