sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Atletas da Nike dominam São Silvestre 2015

Na Elite Masculino, a equipe Nike faturou o 1º e o 3º lugar com africanos
A equipe Nike fez dobradinha da 91ª Corrida Internacional de São Silvestre, disputada na manhã dessa quinta-feira, 31 de dezembro de 2015, em São Paulo. Enquanto na categoria Elite Masculino o vencedor foi Stanley Biwott (Quênia), na Elite Feminino a vencedora foi, mais uma vez, Ymer Ayalew (Etiópia). Com esses resultados, a Nike mostra que continua colhendo os louros das vitórias e os lucros pelas apostas em atletas africanos. Stanley, que competiu na prova pela primeira vez, fez os 15 quilômetros em 44 minutos e 31 segundos e faturou a premiação de incentivo de R$ 80 mil, enquanto que Ymer Ayalew, que já havia ganho a São Silvestre em 2008 e 2014, fez o mesmo percurso em 54 minutos e 1 segundo e também faturou o prêmio de incentivo de R$ 80 mil. Para fechar sua boa participação, a equipe Nike ainda obteve o terceiro lugar na Elite Masculino com Feyisa Lilesa (Etiópia) que levou o prêmio de incentivo por resultados atingidos de R$ 24 mil.


Tabela gráfica com os resultados do pódio mostra o equilíbrio da corrida

Como foi a corrida

A Elite Masculino começou com o pelotão de africanos (equipes Nike, Coquinho e Luasa Sports) puxando o ritmo. Nos primeiros quilômetros aconteceram alguns revezamentos de posições na frente entre o queniano Stanley Biwott e o etíope Dawit Admasu (que acabou em 8º). O brasileiro Giovani dos Santos tentou ficar no grupo dos africanos, mas acabou sendo deixado para trás a partir da metade do percurso quando Stanley Biwott aumentou o ritmo e foi se distanciando seguido por Leul Gebresilase. A partir da subida da Av. Brigadeiro Luis Antônio a briga ficou polarizada entre os dois e somente nos metros finais é que Stanley Biwott, ameaçado, conseguiu um sprint para vencer Leul Gebresilase por apenas três segudos de diferença. 

Já a Elite Feminino começou sem surpresas com o pelotão correndo compacto. Quatro quilômetros depois, a brasileira, Roselaine de Sousa (que terminou em 14º) acelerou e foi se distanciando na ponta. Na metade do percurso Roselaine foi ultrapassada por um pelotão de nove concorrentes e, chegando nos 10 km, a brasileira Sueli Pereira assumiu a ponta sendo seguida pela também brasileira Joziane Cardoso. A partir da subida da Av. Brigadeiro Luis Antônio (12 km), cinco corredoras (africanas e brasileiras) começaram a puxar o ritmo. Faltando apenas 600 metros para a chegada, as africanas Wude Ayalew e Delvine Meringor aceleraram e conseguiram se distanciar. Wude Ayalew ainda arrancou mais forte no sprint final e conseguiu se descolar para chegar na frente com apenas dois segundos de vantagem para Delvine Merigor.   


Stanley Biwott venceu a São Silvestre pela primeira vez e é especialista em maratonas

PERFIL: Stanley Biwott

O corredor, Stanley Kipleting Biwott é um ex-jovem peão de fazenda no Quênia, tem 29 anos e compete em vários estilos de corridas de rua (10k, 15k, meia maratona e maratona). Apareceu para as grandes provas do mundo em 2006, aos 20 anos, quando era treinado pelo técnico italiano Cláudio Berardelli. Na época, competiu nos 42k da Maratona d'Italia (Capri) e ficou na 7ª colocação com o tempo de duas horas, quatorze minutos e vinte e quatro segundos (02:14:24). Nos três anos seguintes, 2007, 2008 e 2009 continuou participando das grandes provas, mas sem conseguir resultados expressivos. Estreou no Brasil em 2009 competindo nos 17,8k da 11ª Volta Internacional da Pampulha, pela equipe Fila, onde ficou na 6ª colocação com o tempo líquido de cinquenta e três minutos e quarenta e sete segundos (00:53:47). 25 dias depois, estreou nos 15k da São Silvestre (85ª edição), também pela equipe Fila, ficando em 7º lugar com o tempo líquido de quarenta e seis minutos e trinta e dois segundos (00:46:32). Sua primeira grande vitória na carreira veio nos 42k da Maratona Internacional de São Paulo em 2010 (16ª edição), prova realizada dia 2 de maio daquele ano e que teve o domínio dos quenianos no masculino. Com o tempo de duas horas, onze minutos e vinte e um segundos (02:11:21), Stanley ficou apenas a dois segundos de bater o recorde nacional (de 02:11:19) pertencente ao brasileiro Vanderlei Cordeiro de Lima em 2002. No início de 2011 ele ganhou os 21k da Meia Maratona Internacional de Azkoitia-Azpeitia (Espanha) com o tempo de uma hora e vinte e três segundos (01:00:23). Naquele ano também venceu os 42k da Maratona Internacional de Chuncheon (Coreia do Sul) com o tempo de duas horas, sete minutos e três segundos (02:07:03). No dia 4 de março de 2012, venceu e bateu o recorde dos 21k da Meia Maratona Internacional de Paris, na França (20ª edição), com o tempo de cinquenta e nove minutos e quarenta e quatro segundos (00:59:44). 42 dias depois, em 15 de abril, também venceu com tempo recorde os 42k da Maratona Internacional de Paris com duas horas, cinco minutos e onze segundos (02:05:11). Naquele mesmo ano ainda venceu outras três provas pelo mundo. Em 2013 ficou em segundo lugar em duas grandes provas. Em 2014 Stanley só se destacou no mês de abril ao ficar em segundo lugar nos 42k da famosa Maratona de Londes. Em 2015, o queniano voltou a brilhar com mais três vitórias pelo mundo: na Holanda, nos EUA e no Brasil. No dia 8 de março compôs o super "pódio do Quênia" nos 21k da Meia Maratona City-Pier-City-Loop (CPC - Holanda) vencendo com o tempo bruto de cinquenta e nove minutos e vinte segundos (00:59:20) - a melhor marca do ano. Depois, no dia 1º de novembro venceu os 42k da Maratona de Nova York, a maior do mundo com mais de 50 mil participantes, fazendo tempo de duas horas, dez minutos e trinta e quatro segundos (02:10:34) e faturou o prêmio de US$ 100 mil (R$ 381 mil na época). No final do ano, dia 31 de dezembro, sagrou-se vencedor da 91ª Corrida Internacional de São Silvestre com o tempo de quarenta e quatro minutos e trinta e um segundos (00:44:31). Por esta vitória, ostentou um "checão" de R$ 80 mil a ser homologado após sair o teste antidoping.

(Essa pesquisa de informações foi realizada pelo blog Alvo Notícias)