domingo, 4 de dezembro de 2016

POETA FERREIRA GULLAR FALECE NO RIO

Ferreira Gullar - 10/09/1930 a 04/12/2016
Fernando Frasão -Agência Brasil / Fotos Públicas (09/10/2014)

Do Rio - O poeta e “multi autor”, José Ribamar Ferreira, o FERREIRA GULLAR, faleceu por volta das 10 h deste domingo, 4, aos 86 anos, no hospital Copa D'Or em Copacabana na cidade do Rio de Janeiro (RJ) por insuficiência respiratória. Ele estava internado havia 20 dias decorrente de agravamento de um quadro de pneumonia. Sua última frase dita à sua esposa foi "Se me ama, me deixe ir em paz".

Seu corpo será transportado às 17 h deste domingo para a Biblioteca Nacional no Centro do Rio onde, às 9 h desta segunda-feira, 5, sairá para ser velado no prédio da Academia Brasileira de Letras-ABL. Às 15 h, sairá para ser enterrado no mausoléu da ABL, situado no cemitério São João Batista, no bairro do Botafogo.

Ferreira Gullar deixa dois filhos (Luciana e Paulo), oito netos e a esposa Cláudia. Seu último livro foi “Autobiografia Poética e Outros Textos” lançado em 2016 (Editora Autêntica). O poeta e “multi autor” é natural de São Luis (Maranhão) nascido em 10 de setembro de 1930. 

TRAJETÓRIA – Ferreira Gullar surgiu no cenário nacional em 1954 com a obra poética “A Luta Corporal”. Em 1959, foi um dos fundadores do movimento de estilo de poesia chamado Neoconcreto ao escrever um manifesto e, posteriormente, um ensaio. Mais tarde, virou manifestante e entrou para a política como comunista. Passou um período, na década de 1970, como exilado. Por esse seu ativismo, foi um preso político em 1977. Depois, em 1980, foi integrante da imprensa carioca e roteirista de TV (Rede Globo). Em 1985 concluiu a tradução da peça “Cyrano de Bergerac” e ganhou, de forma inédita, um prêmio Molière. Na Globo, escreveu o famoso seriado “Carga Pesada” e foi um dos autores da novela de 1990 chamada “Araponga”. Colaborou em outras novelas da emissora e em jornais da grande mídia, como o Folha de São Paulo. Foi sempre muito ativo e atuante.

VISÃO GERAL – Ferreira Gullar foi um dos maiores autores brasileiros do Século XX. Atuou em diversas etapas da criação literária, por isso pode ser considerado um “multi autor”. Foi, essencialmente, um poeta, mas também dramaturgo, romancista, ativista cultural e até cineasta. Tornou-se um renovador da linguagem poética.

1949 (poeta) autor de 14 obras
1959 (ensaísta) autor de 11 obras
1966 (teatrólogo) autor de cinco peças
1980 (crítico) autor de duas obras de crítica de arte
1980 (roteirista de TV) autor de “Carga Pesada” e colaborador de novelas da Globo
1985 (artista visual) produziu e foi autor de crítica de arte
1985 (tradutor) traduziu a peça “Cyrano de Bergerac” e ganhou o prêmio Molière
1989 (cronista) autor de uma obra
1990 (novelista) Um dos autores da novela Araponga, dentre outras colaborações (remake)
1996 (contista) autor de duas obras
1998 (biógrafo) autor de duas obras
2000 (literato infanto-juvenil) autor de cinco obras
2002 indicado para o Nobel da Literatura
-Ganhou vários prêmios e recebeu diversas menções
-Quando jovem promessa, foi um dos autores da revista “ A Ilha” que lançou o pós-modernismo no Maranhão
-Mudou-se para o Rio de Janeiro e ganhou muito destaque como autor
-Inovou na poesia concreta ao escrever poemas em placas e madeiras
-Como poeta neoconcreto é autor de dois livros
-Foi um imortal da Academia Brasileira de Letras em 2014, como o sétimo ocupante da cadeira 37.